Temer fala sobre “inúmeras vantagens” para trabalhador e presidente da CUT o chama de “inimigo dos trabalhadores”

Política

Em pronunciamento especial para o Dia do Trabalhador, o presidente Michel Temer garantiu que a geração de empregos irá acontecer muito mais rapidamente, incluindo opções para os jovens, com a reforma trabalhista que o governo está propondo.

“Ao cumprimentar o trabalhador, trago mensagem de otimismo. De crença no Brasil e na força de cada um para transformar o nosso país”, declarou.

Em vídeo publicado no Twitter, ele falou sobre as “inúmeras vantagens” para o trabalhador. Além do aumento no número de postos de trabalho, afirmou que os direitos dos cidadãos com carteira assinada serão assegurados, incluindo também os funcionários terceirizados.

“Além de mais empregos, o resultado será mais harmonia na relação de trabalho e, portanto, menos ações na Justiça”, disse.

Temer esclareceu ainda que a remuneração diferente para homens e mulheres que exerçam a mesma função será proibida, mediante punição à empresa que o fizer.

O presidente da República também mencionou o progresso nos resultados atingidos pela economia brasileira, como a queda na inflação, acrescentando que a melhoria no mercado de trabalho será alcançada em breve.  Ele reiterou ainda que o trabalho é o caminho para superar as dificuldades. “Os resultados já começam a aparecer”, terminou.

CUT versus Temer

No site Brasil 247, o presidente da Central Única dos Trabalhadores Vagner Freitas usou o título “Temer, o inimigo dos trabalhadores” em artigo.

Foto: Brasil 247

Freitas também destacou que o país está submerso na mais longa e grave crise econômica desde a redemocratização e a classe trabalhadora brasileira não tem o que comemorar no Dia do Trabalhador. “Correndo o risco de perder direitos conquistados com muita luta, o trabalhador está hoje numa perigosa armadilha, coordenada por um governo ilegítimo, apoiado por um Congresso sem compromisso com o povo. De um lado, faltam empregos; de outro, poderá ter de se submeter à terceirização sem direitos garantidos. E, no fim da vida, não irá se aposentar; nascido de um golpe, governo Temer produziu a maior depressão econômica da história do Brasil, levou o desemprego a 14,2 milhões de pessoas e hoje é rejeitado por 92% da população”, disse.

 

Com informações do Estado de Minas e Brasil 247