Luziânia: Vereador Murilo Roriz parabeniza mulheres pelo seu dia em sessão solene

Política

Nesta terça-feira (8), o vereador e Líder de Governo, Murilo Roriz participou de uma sessão solene em homenagem ao Dia internacional da Mulher. A solenidade contou com a presença de várias autoridades, dentre elas o vice-prefeito de Luziânia, Francisco Edivam, (Didi Viana).

Murilo Roriz, Professora Alba Oliveira e Vereadora Professora Edna
Murilo Roriz, Professora Alba Oliveira e Vereadora Professora Edna

Com a casa cheia, Murilo Roriz fez questão parabenizar as mulheres destacando sua importância como o pilar da família.

“Quero parabenizar a todas as mulheres, em especial a minha homenageada, a senhora Divina Aparecida, que sempre uma boa mãe, esposa, trabalhadora e dedicada. Ela é um exemplo para tudo isso que foi falado. Para mim é um grande prazer homenagear a todas as mulheres, não só as que estão aqui, mas todas de Luziânia, do Brasil e do mundo. Elas cada uma em seu papel, no trabalho, no seu lar e na sua família fazem a diferença. Desejo felicidades a todas,” disse Murilo Roriz.

Na ocasião, o vereador homenageou a Dona Divina Aparecida de Jesus, entregando uma placa comemorativa em referência ao Dia da Mulher.

Conheça um pouco da história sobre o Dia da Mulher

O primeiro Dia da Mulher foi celebrado em maio de 1908 nos Estados Unidos, quando cerca de 1500 mulheres aderiram a uma manifestação em prol da igualdade econômica e política no país. No ano seguinte, o Partido Socialista dos EUA oficializou a data como sendo 28 de fevereiro, com um protesto que reuniu mais de 3 (três) mil pessoas no centro de Nova York e culminou, em novembro de 1909, em uma longa greve têxtil que fechou quase 500 fábricas americanas.

No Brasil, as movimentações em prol dos direitos da mulher surgiram em meio aos grupos anarquistas do início do século 20, que buscavam, assim como nos demais países, melhores condições de trabalho e qualidade de vida. A luta feminina ganhou força com o movimento das sufragistas, nas décadas de 1920 e 30, que conseguiram o direito ao voto em 1932, na Constituição promulgada por Getúlio Vargas. A partir dos anos 1970 emergiram no país organizações que passaram a incluir na pauta das discussões a igualdade entre os gêneros, a sexualidade e a saúde da mulher. Em 1982, o feminismo passou a manter um diálogo importante com o Estado, com a criação do Conselho Estadual da Condição Feminina em São Paulo, e em 1985, com o aparecimento da primeira Delegacia Especializada da Mulher.