Luziânia: Estamos preocupados em montar uma infraestrutura tanto predial quanto de equipamentos, diz Secretário Municipal de Saúde

Política

Nesta sexta-feira (31), uma comitiva de vereadores e os representantes do Conselho Municipal de Saúde visitaram o Hospital Regional de Luziânia, a Unidade Básica de Saúde do Setor Leste e o CER – Centro Especializado de Reabilitação para vistoria e fiscalização do andamento das  obras na área da saúde do município.

A convite do presidente da Câmara Municipal de Luziânia Murilo Roriz, blogueiros e jornalistas da região estiveram presentes. O parlamentar falou sobre a importância dessas visitas: “É função do Poder Legislativo fiscalizar os atos da Prefeitura e por isso estamos aqui neste dia, para vistoriar e mostrar para a população como estão as reais condições destas grandes obras na área da saúde. E quero lembrar que novas ações como essa vão acontecer. Os vereadores estarão visitando os órgãos e instituições durante todo o ano”.

Coletiva de Imprensa

O secretário municipal de saúde, Dr. Watherson Roriz também acompanhou as visitas. Ele explicou que no Hospital Regional de Luziânia estão sendo executadas duas obras, uma ampliação e uma reforma.

Segundo Watherson, na área ampliada funcionará o Pronto-Socorro, o Laboratório de Imagens com tomografia computadorizada, ecógrafos com doppler, RAIO-X digital, endoscopia digestiva e broncoscopia, além do Laboratório de Análises Clinicas. Já a parte que está em reforma, o Regional vai contar um Ambulatório de Especialidades com consultórios para pré e pós-cirurgia, ginecologia, urologia, vascular, clínica médica, a lanchonete e Capela ecumênica, além de novidades como o Parto Humanizado. “Estamos preocupados em montar uma infraestrutura tanto predial quanto de equipamentos. Já fizemos uma licitação no valor de 2 milhões de reais para aquisição de equipamentos, e por uma emenda parlamentar que o prefeito buscou, foi 1 milhão de reais somente para comprar o tomógrafo, independente dos 2 milhões,” disse.

Ele ainda ressaltou que são quase R$ 5 milhões, somente para a compra de equipamentos.

Já sobre a inauguração do hospital, ele disse que está prevista para o 1º semestre de 2018.

Questionado sobre a implantação de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) no Hospital Regional, o secretário diz: “Os leitos de UTI são extremamente caros, hoje eles custam cerca de dois mil e quinhentos reais. Se você constrói 10 leitos, são vinte cinco mil reais, por dia, além dos profissionais. Se nós construirmos uma UTI aqui, para não termos o profissional, amanhã estas mesmas palavras e as mesmas perguntas, que falam: Porque que não construiu? Perguntarão: Porque construiu e não está funcionando?

Ainda sobre as UTI´s, Whaterson destacou que foi feita uma mediação junto ao Governo do Estado para o credenciamento dos leitos no Hospital Santa Luzia, que é uma instituição privada. “É um credenciamento do SUS, com a intermediação da Secretaria Municipal de Saúde. Sobre o prazo para funcionamento dessas UTI´s, estamos esperando os tramites burocráticos do Governo. Para o credenciamento de leitos, é necessário um estudo muito severo, pois como se trata de uma unidade privada, temos que ter um arca bolso de auditoria. A Secretaria de Saúde será responsável pela disponibilização desses leitos para quem realmente precisa,” finalizou

Comitiva de vereadores nas obras do Hospital Regional de Luziânia

Unidade Básica de Saúde do Setor Leste

O local estava com o teto caindo e a Prefeitura decidiu colocar a estrutura no chão. A nova instalação deverá ser entregue até junho deste ano. O local contará com duas equipes de saúde trabalhando para atender a comunidade local, com médicos e dentistas. Além de uma academia de saúde para os pacientes e trabalhos comunitários com os jovens e idosos da região.

Centro Especializado em Reabilitação – CER

As obras estão em fase final e deve ser entregue no próximo mês de maio. O trabalho realizado nesta unidade será para os portadores de necessidades especiais, mental, auditiva, visual e motora com neurologista, oftalmologista, otorrino, cardiologista, ortopedista, fisioterapeuta e psicólogo, além de profissionais de enfermagem.

A diretora do CER, Dra. Fabiane Ribeiro ressaltou que a proposta do CER é voltada para reabilitação e readaptação das pessoas e assim. Segundo ela, no local não terão cirurgias e nem internações, ou seja, os pacientes com traumas ou acidentados devem ser encaminhados para o Hospital Regional e as UPA’s.

 

Da redação