Caiado: Orçamentos de Saúde e Educação precisam ser preservados em PEC que limita gastos

Política

O líder do Democratas no Senado Federal, Ronaldo Caiado, defendeu que as pastas da Saúde e Educação precisam de uma atenção especial na PEC que prevê um teto nos gastos públicos.

Após reunião de líderes do Congresso Nacional com o presidente Michel Temer e equipe econômica, na última quarta-feira (15), Caiado falou com a imprensa e ressaltou a necessidade de não padronizar os limites de gastos em áreas estratégicas para o desenvolvimento nacional.

“Passar a ter um patamar de reajuste padrão sobre toda a estrutura da máquina não seria correto porque existe funções essenciais, como Educação e Saúde, e existem alguns penduricalhos que não deveriam mais existir. A matéria ainda está aberta e caberá ao Congresso readequar essa PEC dentro da necessidade desses dois setores”, explicou Caiado.

Para o senador, a garantia de que a PEC deve valer por 10 anos a partir de 2017 é uma sinalização de uma política econômica de Estado a longo prazo, o que traz segurança para os investimentos.

“A sociedade vai entender que precisamos de uma definição de longo prazo. Não adianta nada essa operação tapa-buraco que foi feita pelo governo anterior. É preciso definição para recuperar a credibilidade com aqueles que vão gerar empregos no país”, explicou.

Congresso

Ronaldo Caiado elogiou a iniciativa de delegar ao Congresso Nacional um maior papel na construção da reforma fiscal que vai prever um teto orçamentário. “Está definido que será também prerrogativa do Congresso a distribuição desse orçamento e vamos ter que saber priorizar aquilo que é mais importante: saúde, educação, segurança e infraestrutura”, disse.

Por: Érica Ianuck