16ª Festa do Marmelo começa nesta sexta-feira (12/1)

Cultura, Entorno

Desde 2002, os moradores do povoado Mesquita, na zona rural da Cidade Ocidental (GO), realiza no segundo domingo de janeiro a Festa do Marmelo. Este ano, ela se repete. Começa nesta sexta (12/1), com uma Missa de Bençãos à Festa do Marmelo, e vai até o próximo domingo (14/1).

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO

DIA 12 – SEXTA-FEIRA

Missa em Luziânia

18H – Luziânia – Igreja do Rosário – Missa de Bençãos à Festa do Marmelo de Cidade Ocidental e Luziânia e aos produtores da região.

 DIA 13 – SÁBADO

15ª Cavalgada do Marmelo de Luziânia à Cidade Ocidental

09h – Concentração – Igreja do Rosário

11h – Saída de Luziânia com destino à Cidade Ocidental – Chegada com almoço na Orla do Lago

21h – Grande Show na Orla do Lago

 DIA 14 – DOMINGO

11ª Corrida do Marmelo

8h – Largada no Povoado Mesquita com destino à Cidade Ocidental. Chegada na Orla do Lago.

10h – Santa Missa na Igreja Nossa Senhora da Abadia no Povoado Mesquita

12h – Almoço e Leilão para conclusão da reforma da Capela de Nossa Senhora da Abadia no Povoado Mesquita

A Festa do Marmelo foi criada pela população do povoado, a 70km do Plano Piloto, como forma de arrecadar dinheiro para  a construção da Igreja de Nossa Senhora da Abadia. O santuário está concluído, mas ficou o costume de festejar anualmente — esta é a 16ª edição.

TRADIÇÃO

Remanescente de quilombos, a comunidade de Mesquita mantém as tradições dos ascendentes negros há mais de 200 anos. Entre elas, a receita de marmelada, de origem portuguesa. A fruta é uma variedade do marmelo português (Cydonia oblonga Mill.) que se adaptou perfeitamente ao clima do interior goiano.

Na região de Luziânia (GO), as árvores costumam dar frutos em janeiro e fevereiro. Veio daí a inspiração para a festa, que tem um dos pontos altos na produção do doce. Ele é feito na hora e servido na sobremesa do almoço do domingo.

Pré-cozidos e armazenados em latas, os marmelos são usados o ano inteiro. A marmelada é produzida artesanalmente nas casas dos produtores, em tachos de cobre. Embalada em caixinhas, ganha o rótulo de Marmelada Santa Luzia e é comercializada. Uma verdadeira iguaria.